quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Um dia de cada vez

S

empre desconfiei desse tal de trabalho... sabia que ficar trabalhando horas e horas não ia dar boa coisa. E taí: trabalhar demais te deixa meio lesado.


Brincadeiras a parte, é mais ou menos por aí (salvo os devidos exageros) que vai o pensamento de um grupo de cientistas que publicaram um estudo no
The American Journal of Epidemiology. Segundo eles, trabalhar mais que 55 horas por semana pode diminuir suas "habilidades mentais", quando comparado com pessoas que trabalham menos que isso.

Problemas de memória foram encontrados nos chamados trabalhadores pesados. E isso pode mostrar aos empregadores que, sem dúvida alguma, não só o rendimento dos negócios pode cair devido ao cansaço dos funcionários, como também, a longo prazo, os danos aos trabalhadores podem ser definitivos (prejudicando o alcance incansável do lucro).

Ainda não se sabe como esse dano se processa no cérebro, mas os pesquisadores afirmam que os fatores-chave podem incluir aumento nos problemas relacionados ao sono e à depressão, além de criar um estilo de vida pouco saudável e haver um aumento do risco de aparecimento de doenças cardiovasculares.

Obviamente, o trabalho em excesso está e estará muito presente em casos como o que estamos vivendo: de recessão. Afinal, o número de empregados cai, e o trabalho recai aos poucos que restaram, que muitas vezes têm de agregar tarefas que originalmente não eram suas. Isso sem falar no trabalho extra que terão de cumprir quando os empregadores perceberem que poderão se sustentar com poucos funcionários, já que dificilmente as empresas reporão o antigo número de trabalhadores quando esta e outras crises terminarem.

Segundo selo

Q

uero agradecer à minha (felizmente) leitora mais assídua, Déia, que tem o ótimo blog: Idéias Livres, que acompanho sempre.
Muito obrigado pelo selo!

Regras:
1) Exibir a imagem do selo "Seu blog é ROXIE!" e escrever essas regras abaixo dele.
2) Colocar quem te deu o selo nos seus blogs indicados (amigos).
3) Escrever 5 coisas que são ROXIE (1ª sobre música, 2ª sobre televisão e cinema, 3ª três países que gostaria de conhecer, 4ª três cores favoritas e 5ª três hobbies)
4) Indicar 10 blogs que você ache ROXIE.
5) Avise a pessoa

Respostas:
1) Música: a banda Coldplay é minha número um.
2) TV e Cinema: programas sobre notícias e saúde, e filmes de drama e suspense, são meus preferidos.
3) 3 países para conhecer: Inglaterra, Itália e Chile.
4) 3 cores favoritas: Vermelho, Branco e Azul.
5) 3 hobbies: ler, escutar música e navegar na net.

Os meus blogs indicados são:
http://outroraciocinio.blogspot.com/
http://ataquesdefuria.blogspot.com/
http://cantodoescritor.blogspot.com/
http://ga2009.blogspot.com/
http://i-arte.blogspot.com/
http://luiskauai.blogspot.com/
http://politicachique.blogspot.com/
http://viviansbrussi.blogspot.com/
http://mersonreis.blogspot.com/
http://insanoraciocinio.blogspot.com/

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

BBB pra quê?

A

o acessar um blog que acompanho (Idéias Livres), falando sobre o Big Brother Brasil... senti-me uma verdadeira lata de lixo, e vazia ainda por cima!

É claro que este programa sana muito do instinto julgador e curioso que temos, mas obviamente ele é muito mais do que um programa dito "sem conteúdo": é um programa lucrativo para quem o faz.

Não posso negar que era uma pessoa totalmente contra este tipo de programa, mas no final sempre acabo dando uma olhada... não sou telespectador assíduo do BBB, mas não sou hipócrita comigo mesmo pra não dizer que volta e meia acabo me pegando na frente da TV.

Embora eu concorde que a emissora deveria colocar programas mais instrutivos no lugar deste e tantos outros, não me considero sem conteúdo... pois pra mim, a falta de conteúdo se manifesta quando não se sabe olhar um programa destes com reservas, ou seja, quando se analisa qualquer atitude tanto dos participantes quanto dos criadores com leviandade e inocência, tomando até mesmo partido, em alguns casos. E, aliás, isto serve pra qualquer tipo de programa, inclusive os noticiários. É isto que nos faz seres pensantes: a capacidade de analisar com imparcialidade qualquer situação, antes de fazer um pré-julgamento (ou preconceito).

Por isso mesmo, penso também que se tornou uma "marca de sabedoria" (e até com um ar de superioridade) odiar estes reality shows, fazendo com que as pessoas que não acompanham se sintam mais pensantes dos ques os reles mortais que assistem o programa.

Assim, devemos ter o cuidado de não sermos pegos pela mesma armadilha que montamos, pois podemos incorrer aos erros dos quais tanto repudiamos: a ignorância e o preconceito, afinal seremos tão ignorantes e preconceituosos quanto os ditos telespectadores se só conseguirmos criticar e inferiorizar os que assistem, esquecendo de fazer (ou propor) algo mais interessante do que está sendo criticado.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Melhor ficar de olho aberto!

S

egundo um estudo, publicado em fevereiro no
Journal of Clinical Sleep Medicine, pacientes portadores de cefaleia tensional podem desenvolver insônia ao tentar aliviar a dor de cabeça fazendo uso do sono.

Ainda não se sabe a patogênese do distúrbio de sono nestes pacientes, mas Jason C. Ong, da Rush University Medical Center Chicago e colaboradores afirmam que a insônia têm sido identificada como um fator de risco para cefaleia tensional.


A amostra deste estudo consistiu em 32 mulheres com ce
faleia tensional e 33 mulheres com dores mínimas que funcionaram como grupo controle. Os pesquisadores levantaram dados de autorrelatos em gatilhos de dor de cabeça, interferência da dor com sono, e automedicação da dor. A interferência da dor com o sono foi maior no grupo da cefaleia. Deste grupo, 81% informou que a estratégia de autotratamento mais utilizada foi tentar dormir.

Estes achados sugerem que há uma relação bidirecional entre distúrbio do sono e cefaleia em adultos jovens. Além disso, o uso frequente de sono como autotratamento para dor é compatível com a hipótese que há um fator de relacionamento entre insônia e cefaleia tensional.

Isso, sem dúvida vai contra um hábito comum: de tirar uma soneca para aliviar a dor de cabeça. Então, quem não quer tomar remédio, tenta um paninho molhado na cabeça (e ajuda!).

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A política é a cara do Brasil

A

o ver ontem na televisão uma propaganda partidária percebo o quão burros somos (somos = povo brasileiro). O partido em questão é o PTB, cujo discursante era nada mais nada menos que Roberto Jefferson, seu grandessíssimo presidente.


É incrível como há uma inversão de valores no Brasil: uma pessoa envolvida até os dentes no escândalo do Mensalão se torna quase um santo por ter denunciado um esquema do qual fazia parte: na época ainda me lembro pessoas falando que ele era, pelo menos, honesto, porque teve a coragem de revelar tudo. Espere um pouco! Ele não deveria ter feito outra coisa, aliás, não era nem pra ter entrado no esquema e roubado dinheiro público! E a maior prova de que tudo foi esquecido, é que ele posa na tv como uma pessoa moral, premiado com a presidência de um partido (também questionável), tendo assim a mesma aprovação dada pelo povo.

Como se não bastasse sua injusta idolatração, ainda nesta propaganda de que lhes falei, ele se põe veementemente contra um item da Reforma Previdenciária: o fator previdenciário... mas os brasileiros não podem esquecer que este mesmo Roberto Jefferson foi um dos que votou a favor de sua aprovação, obviamente se tornando contra quando lhe convém (assim como deve ter acontecido no caso do Mensalão).

Enfim, é revoltante ver que os políticos não só sabem da impunidade prevalente no país como usufruem deste mal e se apresentam todos os dias para o povo como santos, como defensores da comunidade, mas no frigir dos ovos querem apenas sua estabilidade e manter sua profissão (porque é isso que é ser político: profissional). Mas infelizmente os políticos não são tão diferentes do povo, pois o pensamento individualista muda apenas de escala (eles, nacionalmente e o povo, localmente), acrescentado ainda pelo, parafraseado o fator previdenciário, "fator voticitário": as urnas dão o poder para uma pessoa não muito diferente do seu respectivo eleitor.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

A inveja ganha casa própria

N

ão, não é bem uma casa, mas um local específico no cérebro. Pelo menos é o que afirmam cientistas do Departamento de Neuroimagem Molecular do Instituto Nacional de Ciência Radiológica, em Tóquio, Japão, em um estudo publicado no American Journal of Science.


A pesquisa, que durou um ano e meio, estudou o comportamento de 19 pessoas em boas condições de saúde. Durante os experimentos, eles tiveram os cérebros monitorados por aparelhos de ressonância magnética.

Os pesquisadores, antes do monitoramento das atividades cerebrais, pediam aos participantes para se imaginarem em determinadas situações, como se fossem reais. Este cenário criado envolvia ainda outras três personagens, sendo que duas delas seriam hipoteticamente mais capazes e inteligentes que os voluntários da pesquisa. Quando os voluntários sentiam inveja, a parte do córtex dorsal anterior do cérebro era ativada.

"Pessoas muito invejosas tendem a ter uma grande atividade nessa região do cérebro, que é responsável pela dor física e também é associada à dor mental", contou o pesquisador.

Os cientistas também perceberam que outra parte do órgão, o corpo estriado, que é associado a sentimento de alegria ao recebermos um prêmio, por exemplo, era também estimulado quando as cobaias liam um capítulo que descrevia problemas com outras personagens. Segundo os especialistas, isto indica que as pessoas invejosas sentem mais prazer com a desgraça alheia.

Segundo Hidehiko Takahashi, pesquisador-chefe: "A inveja pode levar uma pessoa a praticar um ato destrutivo e até criminoso para conseguir o que deseja", assim: "Ao entendermos como funciona esse mecanismo neurocognitivo poderemos prevenir e tratar esse tipo de conduta".

Será que um dia a inveja vai deixar de ser uma característica "normal", que faz parte do jeito de ser de uma pessoa, e se tornará em uma enfermidade
* tratável? Fica a pergunta.

*Aproveito para pedir maiores informações para quem saiba de alguma doença que tenha como uma de suas características a inveja, pois por pura ignorância posso incorrer em erro por não tratar a inveja já como uma enfermidade, mesmo antes da publicação desta pesquisa. Obrigado!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Honestidade ainda vale a pena?

I

nacreditável!... depois desta notícia, divulgada pelo Jornal Nacional de hoje, tive que correr ao computador e postar: uma mulher de 55 anos, catadora de materiais recicláveis, encontrou nesta quarta-feira (11) pacotes no lixo com cerca de R$ 40 mil. A quantia foi achada no lixo de um supermercado de Penápolis, a 479 km de São Paulo. Ela devolveu o dinheiro ao dono do estabelecimento comercial, que calculou a quantia de dinheiro que havia nas sacolas. A mulher recebeu R$ 200 como recompensa.

Lourença Palma da Cunha, que trabalha há vários anos como catadora, encontrou no lixo sacolas que ela pensava conter material reciclável. Quando chegou em casa para separar o material, se espantou ao ver tantas notas de R$ 50, além de vários cheques pré-datados e até dólares.

Lourença disse que achou que o dinheiro fosse de mentira. Mas, quando descobriu que o dinheiro era real, se lembrou de onde havia retirado as sacolas, voltou para o supermercado e devolveu toda a quantia. Segundo o dono do supermercado, uma funcionária fez uma limpeza e acabou jogando as sacolas de dinheiro no lixo. O dinheiro estava em sacolas, pois supermercado havia sofrido um assalto há pouco tempo e, então, o dinheiro ainda não havia sido posto no cofre.

A mulher sustenta a família com a coleta de materiais recicláveis. Ela ganha cerca de R$ 200 por mês. A catadora mora em uma casa de cinco cômodos com o marido, dois filhos e quatro netos. Há cinco anos, Lourença é voluntária no Fundo Social de Solidariedade de Penápolis.

Dá pra acreditar? O mínimo que o supermercado deveria ter feito é disponibilizar uma cesta básica mensal para a catadora, como gratidão pela boa índole (boa não, ótima!) desta senhora que trabalha duro e passa tantas dificuldades para sustentar a família e ainda tem tempo para pensar no bem-estar dos outros.

Claro que não quero que as pessoas ajudem esperando, pura e simplesmente, uma recompensa, mas é muita mesquinhez tratar um caso destes com tanta leviandade, ainda mais em se tratando de uma pessoa reconhecidamente pobre, trabalhadora e honesta. Duzentos reais! Parece até piada... imagino a cara de quem teve de dar ínfimo valor à catadora: de vergonha ou de deboche, não consigo imaginar outra.

Estou indignado! Como o dono do supermercado pode ver a reportagem e reparar na inocente felicidade de Lourença sem ter remorço de humilhá-la assim!
Considero este ato (a recompensa) como uma humilhação e ponto final!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Humilhação

N

ão consigo achar outra palavra para descrever o principal sentimento gerado pelo trote do curso de Veterinária, em Leme, São Paulo.


É incrível como ainda existe permissão para este descontrole de um rito de passagem, que deveria ser uma comemoração, uma confraternização, e vira cenário de humilhação, bebedeira e até lesões corporais.

Não tenho dúvida de que estes atos de vandalismo só ocorrem porque não há punição adequada para os causadores da "brincadeira".

Desta vez, um aluno chegou a apresentar lesões no braço e nas costas causadas por golpes de chicote... isso mesmo: chicote! Isso sem falar do coma alcoólico gerado pela obrigação de beber cachaça e da sujeira baseada em fezes e animais mortos.

As atividades de alguns trotes extrapolaram os limites da amizade para a subjugação. Algumas turmas dão importância apenas ao fato de estarem à frente dos calouros, obrigando-os a fazerem todo tipo de atividade humilhante, esquecendo o real propósito do trote.

Claro que a punição diminuirá as aberrações que todos anos acontecem, mas as "cabeças pensantes" (ou melhor, que não pensam!) destes trotes violentos, continuarão a ter esta mentalidade que passa do patamar da infantilidade e chega à escala doentia.

Ainda bem que os chamados trotes solidários estão se espalhando pelo país, trocando a violência e a humilhação pela prestação de serviço à comunidade e à atividade cidadã.

Viva o trote consciente!

Selo suado!

E

stou muito feliz de receber este selo, que representa que alguém no mundo dos blogs acompanha o que escrevo com tanta dedicação. Obrigado pelo reconhecimento,
Blog i-Arte (http://i-arte.blogspot.com).

Aproveito para pedir desculpa pela rarefação de posts, é que como estou de férias e viajando, tenho menor acesso à internet, mas assim que puder, meus posts se tornarão mais frequentes. Obrigado pela In:compreensão!

Regras:
1 - Exiba a imagem do selo “Olha Que Blog Maneiro” Que vc acabou de ganhar!!!

2 - Poste o link do blog que te indicou.(muito importante!!!)

3 - Indique 10 blogs de sua preferência.

4 - Avise seus indicados.

5 - Publique as regras.

6 - Confira se os blogs indicados repassaram o selo e as regras.

7 - Envie sua foto ou de um(a) amigo(a) para olhaquemaneiro@gmail.com, juntamente com os 10 links dos blogs indicados para verificação. Caso os blogs tenham repassado o selo e as regras corretamente, dentro de alguns dias você receberá 1 caricatura em P&B.

Os Meus 10 Indicados São:
http://ideias-livrees.blogspot.com/
http://templatesparanovoblogger.blogspot.com/
http://luiskauai.blogspot.com/
http://cantodoescritor.blogspot.com/
http://amaniadeescrever.blogspot.com/
http://dyefersson.blogspot.com/
http://outroraciocinio.blogspot.com/
http://taynalu.blogspot.com/
http://insanoraciocinio.blogspot.com/
http://politicachique.blogspot.com/

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Os dois lados da moeda

A

pouco fiquei sabendo de um site na internet que é um leilão de empregos... é isso mesmo! Esse é um site especializado em divulgação de vagas de trabalho (em Boston, EUA... ok?!) baseado numa mistura que envolve a "Lei da oferta e da procura" e aqueles programas do estilo do "Menor lance único".


Funciona mais ou menos assim: os empregadores anunciam as vagas, esclarecendo o tipo de trabalho disponível e os requisitos necessários; e os candidatos informam suas qualificações e dizem quanto gostariam de ganhar.

O site afirma que não necessariamente a oferta de salário mais baixa vai ser a escolhida, mas que o pagamento será um dos fatores mais importantes na hora da decisão.

Segundo seus fundadores, o site serve para aumentar a inserção dos jovens recém-formados no mercado de trabalho, mas segundo meu ponto de vista, se não houver controle rigoroso, isso pode virar exploração legalizada. Isso porque não tenho dúvida de que o salário desejado será a primeira coisa que os contratantes olharão (até mesmo antes do nome do candidato), o que pode levar a uma desvalorização da mão-de-obra. Menos mal que se trata de trabalho temporário, mas vá que essa moda pega no Brasil... o que não falta é malandro pra tirar proveito!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Lei (nem tão) seca

Ó

tima matéria publicada na Revista Superinteressante ("Deu água na lei seca", nº262, fev/09), que fala sobre a ineficiência da Lei Seca, que entrou em vigor em 20 de junho de 2008.

Ela não apenas mostra como a violência no trânsito diminuiu no início mas já toma rumos ascendentes, como também discute o porquê.

Segundo a revista, no início da lei haviam apenas 902 bafômetros no Brasil inteiro, sendo que 500 para a Polícia Rodoviária Federal e o restante para todas as cidades brasileiras. É um absurdo! Não é a toa que o Brasil é o país da impunidade... nem no trânsito, que o lucro com as blitze compensaria os gastos (afinal a multa por dirigir com 6dg/l de álcool no sangue - 2 chopes - é de R$ 957,70), o governo não investe na aplicação da lei.

Aliás, esta lei é mais uma demostração de que o problema maior não são as leis obsoletas (como pregam muitos políticos), mas sim, a falta de cumprimento delas.

A reportagem fala ainda da necessidade de educação junto com a fiscalização. Sem dúvida, educar é necessário, mas o mais urgente ainda é a real aplicação da lei, pois a sensação de impunidade e de aleatoriedade faz com que os motoristas (burros, é claro!) se arrisquem mais. Isso fica claro com este dado: em São Paulo, por exemplo, apenas 1 a cada 300 motoristas foi submetido ao bafômetro - isso que se trata de uma das cidades mais bem preparadas; imagine então nos estados de Tocantis e Amapá, que nem bafômetro tinham!

Infelizmente, a consciência do povo só é formada por meio das obrigações e não dos direitos, pois mais uma vez este mesmo povo se mostra imaturo para aproveitar seu direito de andar pelas estradas sem ser importunado por fiscalizações, deixando que a irresponsabilidade persista e cause cada vez mais assassinatos (é assim que devemos chamar a maioria das mortes no trânsito, e não fatalidades, já que poderia ser perfeitamente evitadas)!

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Conquistar é melhor que ganhar!

H

á poucos dias eu estava conversando com amigos e não sei por que cargas d'água o assunto deslanchou para as cotas para negros na universidade.

Discutimos bastante, sendo que a maioria lá era negra e (incrível) contra as cotas. Foi uma discussão bem proveitosa mas a partir dali comecei a pensar um pouco mais sobre o assunto, pelo qual sou contra. Já explico!

O maior argumento de quem era a favor das cotas era a necessidade da reparação, de alguma forma, da retaliação e desvalia sofrida pelo negro em quase toda a história do Brasil. Neste ponto, não consigo não concordar, mas após a conversa fiquei pensando: não seria pensar pequeno querer as tais vagas, sabendo que o problema é bem mais profundo que isso? Claro que as cotas abriram uma grande e importante porta para a real discussão sobre a situação do negro na sociedade, mas acho que esta suposta discussão não está sendo feita.

Os "a favor" dizem que o negro não tem a consciência de sua importância, mas baseando -se num motivo, no meu ponto de vista, ultrapassado: de que o negro ao crescer tem vergonha de sua cor por ver que os brancos são os idolatrados, os bem-sucedidos, os éticos, enfim... os que são alvo de desejo por sua possibilidade de conquista.

Você se lembra de Milton Gonçalves, o ator negro que atuou como político corrupto na novela A Favorita, da rede Globo? Pois é, ele recebeu várias mensagens de outros negros, que o acusavam de fazer um "desserviço", ou seja, que estaria denegrindo a imagem boa que os negros estariam tentando criar. Discordo veementemente desta afirmativa: o negro têm de parar de brigar pela boa imagem, têm sim, é que lutar pra mostrar seu valor, mostrar que é tão competente que consegue mostrar inclusive seu lado feio (no caso, o corrupto) frente esta sociedade com preconceito disfarçado.

O que falta aos negros (e principalmente aos que se dizem esclarecidos no assunto) é maturidade, pois o verdadeiro referencial que a criança deve ter é saber que a conquista é muito mais saborosa e valorizada quando se luta por ela, e não quando ela é recebida de presente.

Assim, sem querer me estender no assunto, enquanto o negro brigar para ganhar as coisas, ele não vai ter olhos, nem tempo, para lutar por algo muito mais importante: a igualdade de possibilidades (perante os brancos) de alcançar seus objetivos, afinal todos sabem que o que se conquista é muito mais valorizado do o que é ganho!

Só assim, através das conquistas, o orgulho de ser negro será preservado e a discriminação poderá ter um fim.